Home Sobre Nós Corpo Clínico Unidades Especialidades Tratamentos Galeria de Mídias Notícias Contato Edital do Processo Seletivo 2019 Gabarito do Processo Seletivo Resultado do Processo Seletivo

Nossas Especialidades

Veja abaixo a lista de nossas especialidades.

É um procedimento considerado simples, que dispensa a necessidade de internação, pois é feita através de um equipamento chamado Excimer Laser que utiliza uma luz ultravioleta para remodelar suavemente a superfície da córnea e modificando sua curvatura para corrigir os erros refrativos, como a Miopia, a Hipermetropia, o Astigmatismo e a Presbiopia.

O que é?

Uma opção acessível para corrigir eventuais defeitos de sua visão de forma simples e confortável, sempre adaptando à sua necessidade. As lentes de contato podem substituir os óculos em casos de miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia

 

Essa especialidade cuida das doenças oculares das crianças. As causas mais comuns de problemas oftalmológicos na infância são: erros de refração (necessidade de óculos), estrabismo, ambliopia, obstrução de vias lacrimais, catarata congenita, entre outros.

Alguns sinais e sintomas, quando presentes nas crianças, podem sugerir problemas visuais, exigindo tratamento oftalmológico adequado destacando:

- Irritabilidade 
- Lacrimejamento 
- Vermelhidão Ocular
- Dor de cabeça aos esforços visuais 
- Desvios oculares 
- Crianças que aproximam os objetos aos olhos 
- Crianças que se aproximam muito da televisão 
- Baixo rendimento escolar 

É uma subespecialidade na oftalmologia que estuda e trata afecções nas pálpebras, cílios e supercílios, bem como vias lacrimais e órbita. Esta especialidade atua desde o excesso de pele sobre os olhos, bolsas de gordura, rugas na região frontal da face, até a correção do mau posicionamento palpebral (ectrópio, entrópio, ptose) dos cílios e supercílios, desobstrução de vias lacrimais e tratamento clínico ou cirúrgico de tumores orbitopalpebrais.

Essa especialidade tem como objetivo o restabelecimento do contorno palpebral, melhora da expressão do olhar e da aparência, além de ser reparadora, propondo-se a melhorar alterações de causas genéticas, causadas por traumas ou inflamações ou pelo próprio envelhecimento.

 

É uma fina camada de células que reveste a parte mais interna do olho. Ela é responsável por transformar o estímulo luminoso num estímulo neurológico que é transmitido ao nervo óptico. Por sua vez, o nervo óptico leva estas informações para o cérebro que, após seu processamento, se transforma no que chamamos de visão.

Tratamento:

Para examinar a retina, o paciente precisa realizar a dilatação da pupila previamente. Dos principais exames, o Fundo do Olho é o mais simples, porém muito limitado, pois avalia somente o terço posterior da retina.

O Mapeamento da Retina avalia toda a retina até sua periferia. A Retinografia é um exame mais completo, pois avalia e documenta toda a retina através de fotografias digitais. A Angiofluoresceinografia, através de injeção de contraste endovenoso, estuda e documenta por fotografia digital dinâmica toda a circulação retiniana.

Um dos exames mais modernos para avaliação das diversas doenças retinianas é a Tomografia de Coerência Óptica (OCT), que permite o estudo detalhado de todas as camadas da retina. A percepção de manchas no campo de visão ou baixa súbita da visão são sintomas que podem indicar uma doença da retina e devem ser prontamente avaliados por um oftalmologista.

Glaucoma pode ser definido como uma lesão do nervo óptico, de caráter progressivo, com perda de campo visual e risco de cegueira, caso não diagnosticado e tratado a tempo.

Há direta relação com a pressão intraocular (PIO), sendo que a maioria dos portadores de glaucoma apresenta PIO elevada.

Tratamento:

O tratamento é feito à base de colírios, podendo ser complementado com comprimidos ou terapia a laser. O objetivo é reduzir a pressão ocular. Nos casos mais avançados, é necessário realizar a cirurgia de drenagem. Para isso, é preciso apenas que seu diagnóstico seja feito em tempo adequado, para que sua ação possa ser controlada e não cause maiores problemas ao portador.

É um defeito de posicionamento dos olhos, ou seja, quando o olhar está numa direção num olho e em outra no outro olho.

A falta de alinhamento entre os olhos pode ser notada constantemente ou apenas em alguns momentos. Enquanto um olho fixa em frente, o outro desvia para dentro ou para fora, para cima ou para baixo.

É mais comum em crianças, mas pode ocorrer em adultos. O primeiro sintoma é o desvio de um ou ambos os olhos. Muitas vezes, a criança pode desviar ou fechar um dos olhos sob o estímulo da luz, ou entortar a cabeça para alinhar os olhos.

Quando há suspeita da existência de estrabismo, a criança deverá ser encaminhada logo ao oftalmologista.

Tratamento:

Em alguns casos de estrabismo pode ser necessário o uso de tampão por algumas horas do dia. O objetivo deste tratamento é o desenvolvimento normal e simétrico da visão em ambos os olhos. Geralmente é realizada oclusão do olho de melhor visão para estimular o desenvolvimento da visão no olho que está mais fraco, evitando assim a ambliopia (“olho preguiçoso“).

Podemos chamar a córnea como a “janela” do olho. Corresponde à região ocular mais anterior em forma de domo e suas fibras colágenas (estrutura anatômica microscópica), distribuem-se perfeitamente a ponto de torná-la totalmente transparente. Além disto, precisa ser forte suficiente para proteger a região interna do olho contra traumas ou infecções, por exemplo.

Questões genéticas, ambientais, alérgicas, infecciosas ou mesmo disfunção na qualidade e quantidade da lágrima estão relacionadas às principais doenças que acometem a córnea. Dentre estas, podemos citar o Ceratocone a Síndrome do Olho Seco, as ceratites infecciosas (vírus, bactérias e outros parasitas), as distrofias corneanas (doenças genéticas), o trauma ocular, todas podendo ocasionar graves sequelas se não tratadas a tempo.

A catarata é uma doença que deixa a visão turva mesmo com óculos e é considerada a maior causa de cegueira do mundo. Além do borramento visual, a catarata também pode alterar a sensibilidade à luz, a percepção real das cores e visão duplicada. O único tratamento para a catarata é a cirurgia.

Geralmente é causada pelo próprio envelhecimento, principalmente após os 60 anos de idade. Outras causas de catarata são: uso de algumas medicações (principalmente à base de corticoides), trauma no olho, diabetes, inflamações e infecções. Nem sempre a diminuição da visão no idoso é por catarata. Pode ser causada por outras doenças como: tromboses na retina, isquemia do nervo óptico e degeneração macular e glaucoma. 

Tratamento:

A cirurgia de catarata é realizada sob anestesia local sem a necessidade de internação hospitalar. Para a recuperação visual do portador de catarata, se faz necessária a retirada do cristalino opaco e o implante de uma lente intraocular. A qualidade de visão com a lente intraocular é muito superior àquela com óculos ou lentes de contato. Por isto, o implante da lente intraocular é feito de rotina atualmente. 

Ceratocone é uma doença não inflamatória da córnea na qual a baixa rigidez do colágeno corneano permite que a área central ou paracentral assuma forma cônica (do grego: “kerato” significa córnea e “conus” forma cônica). A córnea tornando-se progressivamente mais fina e irregular, resultando na distorção das imagens.

O ceratocone geralmente aparece na adolescência ou em adultos jovens e progride até 35 a 40 anos de idade. Afeta em torno de 1 para cada 2000 pessoas. A progressão normalmente é lenta, mas pode haver períodos de tempo em que a piora é rápida. É impossível prever qual a velocidade de progressão ou se ela vai realmente ocorrer em um determinado caso. Os jovens com doenças avançadas têm maior chance de progressão, enquanto que após os 35 anos de idade a doença dificilmente piora.

Em mais de 90% dos casos o ceratocone acomete os dois olhos, entretanto, um dos olhos geralmente é mais afetado que o outro. Homens e mulheres são afetados na mesma proporção.

Principais tratamentos para o Ceratocone: 

-Lentes de contato: Na fase inicial da doença, quando o astigmatismo irregular é pequeno, a correção visual pode ser feita com óculos. Para outros estágios, indicam-se LC. Existem muitos desenhos e tipos de lentes para adaptação em ceratocone. O modelo ideal é determinado de acordo com a forma do cone, evolução da doença e os testes com lentes de prova.

- Anel Intracorneal: Os anéis intra-corneais são indicados para pacientes com ceratocone que apresentam dificuldade visual com o uso de óculos e intolerância ao uso de lentes de contato. Tem a função de melhorar a visão através da regularização da córnea, com diminuição do astigmatismo e/ou da curvatura corneana. São recomendados apenas para alguns tipos e graus de ceratocone, em córneas transparentes.

- Crosslinking: O Crosslinking do Colágeno Corneano é indicado para evitar a progressão do ceratocone. O tratamento consiste em desepitelizar a córnea após anestesia tópica (colírio), instilar riboflavina (vitamina B2) e aplicar luz UV-A por 10 min Tem como finalidade aumentar o número de ligações covalentes entre as fibras de colágeno para fortalecer a córnea e estabilizar a doença. 

- Transplante de Córnea: Indica-se quando a córnea apresenta cicatrizes ou para ceratocones avançados quando não se obtém boa visão com LC.